terça-feira, 16 de dezembro de 2014
Título original: Tistou Les Pouces Verts
Título: O Menino do Dedo Verde
Autor: Maurice Druon
Tradução: D. Marcos Barbosa 
Editora: José Olympio Editora
Ano: 2014
Comprar: Nos seguintes sites: Americanas, Submarino, Livraria Saraiva, Livraria Cultura e Livraria Folha 


Resenha:


Já li está obra prima da literatura a "milhares de anos" atrás, e talvez por isso, o texto tenha ficado na minha memória até hoje. Para fazer está resenha comprei a nova edição, e me apaixonei outras vez por Tistu.

É preciso preveni-los, que quando forem ler este livro, procurem estar com a mente aberta, não vá ler com pensamentos ou imagens pré-fabricadas.

Obvio que o livro é uma ficção. Alguns até podem chamar de fantasia, mas pra mim e o para o tradutor D. Marcos Barbosa é um texto "transbordante de humor e poesia".

Muitos comparam "O Menino do Dedo Verde" ao "O Pequeno Príncipe" porque nos dois livros há um protagonista criança e menino, mas as semelhanças acabam por aí. Pois, as histórias são completamente diferentes, não é possível compará-los. Por mais que alguns continuem tentandos, pra mim não há comparações.

Então, te aconselho a permitir que Tistu, te leve para caminhar pela relva do prado

RECOMENDADÍSSIMO!!!



Contra Capa:

...Obra-prima de pura ficção,
transbordante de humor e poesia.

D. Marcos Barbosa



Sinopse:

Um acontecimento
a destacar

Trata-se de um dos acontecimentos, não direi literários, mas poéticos, do ano, o lançamento deste livro de Maurice Druon, traduzido por um dos mais completos conhecedores da linguagem lírica no Brasil, Dom Marcos Barbosa. O fato do monge beneditino, recriador em nosso idioma de O Pequeno Príncipe, haver se dedicado a verter esse outro texto, já é uma espécie de garantia prévia no tocante à sua qualidade, ao seu lirismo, à sua lição de poesia e de verdade. Maurice Druon, embora acadêmico e autor de romances históricos, nada perdeu de flexibilidade, de gratuidade lírica, não se deixou esclarecer nem emburguesar pelos títulos, lauréis e outras prendas da velhice. Foi capaz de articular um relato nesse dificílimo idioma que adultos e crianças entendem, os primeiros, é claro, se não matarem em si o espírito de infância, isto é, o espírito de poesia. Livro para reler ao longo dos anos, se temos sorte de descobri-lo na idade cronológica certa; livro para meditar em toda a sua riqueza, se já o recebemos adultos. O paralelo com o récit hoje clássico de Saint-Exupéry não é exagerado. Dom Marcos que verteu a ambos para nosso idioma, confessou que só deu pela semelhança quando terminou o trabalho e se pôs a refletir criticamente sobre o livro. De fato, o Pequeno Príncipe pertence a uma mitologia; Tistu, o menino do dedo verde, está, ao contrário, preso às contingências sociológicas do mundo em que existimos. O primeiro é intemporal, o segundo é filho da era da poluição, de agressividade e do desentendimento. Sua missão é justamente despoluir, humanizar, reintroduzir a poesia num universo do qual ela se encontra exilad. Sobre um mundo cinza e enlutado, Tistu deixa impressões digitais misteriosas que suscitam o reverdecimento e a alegria. Tão apaixonante quanto o Pequeno Príncipe, sua tarefa é mais urgente é mais original. Druon foi capaz de criar um símbolo rico de conotações e de apelos, um significante  símbolo cujo significado jaz um pouco em cada leitor, capaz de florecer ao descobrir-se também possuidor de um polegar verde. Segundo a explicação do velho jardineiro, Bigode, ao menino, "o polegar verde é invisível. A coisa se passa dentro da pele: é o que se chama um talento oculto. Só um especialista é que descobre. Ora, eu sou um especialista. Garanto que vocé tem polegar verde". E à pergunta atônita de Tistu, o jardineiro prossegue: "Ah! É uma qualidade maravilhosa, um verdadeiro dom do céu. Você sabe: há sementes por toda parte. Não só no chão, mas nos telhados das casas, no parapeito das janelas, nas calçadas das ruas, nas cercas e nos muros. Milhares e milhares de sementes que não servem para nada. Estão ali esperando que um vento as carregue para um jardinou para um campo." 

A simbologia quase evangélica deste pequeno livro faz dele realmente um acontecimento a destacar entre a massa dos lançamentos literários. Cremos estar presenciando o retorno do Pequeno Príncipe: como nas fábulas antigas, se disfarça como Tistu, para só revelar sua verdadeira identidade aos que como ele possuem o polegar verde.

Nogueira Moutinho 
Folha de S. Paulo, junho de 1973

0 comentários:

Quem sou eu

Minha foto

Sou Jornalista, artesã, corredora(pelo menos tô começando), leitora fanática..., mas tem a cara de pau de achar que ainda pode dar conta de um blog, acredita?

Facebook

Visualizações

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

Seguidores

Pesquise no blog

Meus livros no Skoob

Instagram

Popular Posts

Goodreads

Adriana's books

This Calder Sky
5 of 5 stars
Os Donos da Terra Janet Dailey Isabel Paquet de Araripe A Saga da Família Calder 01 Record 1983 Já devo ter mencionado, em outra resenha de algum livro da Janet Dailey, mas é necessário reforçar. Os personagens que está autora cria são ...
The Unexpected Millionaire
5 of 5 stars
Inesperado Susan Mallery The Million Dollar Catch 02 Harlequin 2014 Meu Deus!!! Como não se apaixonar por Willow? Impossível, é uma personagem cativante, hilária, espertinha, carinhosa e solidária. Não é atoa que Kane se apaixona d...
Das Kartengeheimnis
5 of 5 stars
O Dia do Curinga Jostein Gaarder Cia. Das Letras Ano: 1999 Já vou avisando, qualquer exagero, disparate, heresia ou algo que valha; escrito por mim nesta resenha, não pode ser classificado com absurdo, ok? Porquê? Muito simples. Sou ...
1808
5 of 5 stars
1808 Laurentino Gomes Planeta 2009 Apesar de estar ligado à história, Laurentino Gomes não é historiador ou biografo. Ele é jornalista. Por isso, talvez, posso dizer que este livro tem uma linguagem e uma compreensão dinâmica. Com mu...
Dance to the Piper
5 of 5 stars
Maddy Nora Roberts Os OHurley 02 Harlequin 2014 Não há dúvidas que Maddy é a mais maluquinha das trigêmeas. Identifiquei-me com muito com ela. É uma pessoa positiva, sem medo de arriscar e encarar o desconhecido. Quando se apaixona...

goodreads.com

Translate

Follow by Email